Constelação Familiar Sistêmica: relacionamento entre casais. Amor, troca e equilíbrio, por Lucy Barbosa

O perfeito não nos atrai. Descansa em si mesmo, bem longe da vida normal. Só se pode amar o imperfeito. Somente do imperfeito resulta um impulso de crescimento, não do perfeito. (Bert Hellinger).

 

Um casal se une quando um sente que lhe falta o outro. E um indo ao encontro do outro, eles complementam-se. E esse encontro torna-se profundo. E você sabe por que esse encontro torna-se profundo? Será só uma atração física?  Será que pensamentos e atitudes parecidas se complementam?

As respostas são simples, pois cada um busca no outro exatamente aquilo que não tem, aquilo que lhe falta. Cada um oferece ao outro aquilo que é necessário. Desta forma, quando o homem, por exemplo, toma a mulher como sua esposa e vice-versa, eles se consumam como homem e mulher. E é por meio desta união, ou seja, a consumação do amor, que se vincula uma profundidade na alma.

Você já ouviu falar sobre as Ordens do Amor ou Leis Sistêmicas? Uma delas é a Lei do Equilíbrio. E você sabe o que significa isso em um relacionamento afetivo?

Caso você não saiba, para que um casal possa relacionar-se de forma saudável é necessário que a relação tenha equilíbrio. E o que será isso?

Para que os relacionamentos deem certo é necessário que cada um dê algo na relação e o outro venha e dê um pouco a mais, tudo isso para que não aconteça a descompensação.

Vamos a um exemplo:

Se uma mulher pagou oa faculdade tão desejada ao marido e ele após se formar não dá absolutamente nada em troca, essa relação fica em desequilíbrio. A igualdade no relacionamento sempre precisa estender-se além da consumação do amor. Isso permeia outras áreas da vida.

E desta forma, no equilíbrio da troca entre eles e o amor, que os relacionamentos tornam-se bons para os dois lados.

É no equilíbrio que tudo funciona bem. Comece a pensar sobre isso.

Na semana que vem vamos falar mais sobre o amor, troca e equilíbrio.

Até lá.

Compartilhe!