Begonia maculata ‘Wightii’: a misteriosa origem da planta

As folhas são de um verde escuro e profundo. Em contraste, bolinhas brancas se espalham como máculas (manchas) por sua superfície e parecem feitas à mão.

Não bastasse também seu formato recortado e assimétrico, que lembra o de “asas de anjo”, um vermelho pulsante surge na parte de trás da folha.

Essa combinação acabou tornando a Begonia maculata cv. “Wightii” (nome científico) uma das plantas mais queridinhas do Instagram. Dona de uma beleza enigmática, outro mistério que ronda as suas folhagens é o de sua própria origem.

“Essa planta não é da natureza, não é a planta que dizem ser nativa do Brasil, da região Sudeste, e que está em vias de extinção. Na realidade, essa planta é um cultivar”, explica Samuel Gonçalves, doutor em botânica pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG).

Os cultivares como a “Wightii” são vegetais que passaram por transformação durante o cultivo feito por humanos. Novas características surgiram nesta begônia criada em viveiro, e a variedade passou a ser replicada intencionalmente por seu valor comercial.

Samuel Gonçalves explica que os cultivares podem surgir de maneira natural ou de forma induzida por humanos. “São selecionadas as melhores plantas para que características sejam mantidas. Isso é o melhoramento genético”, explica.

“A Begonia maculata de fato, ocorre apenas no Rio de janeiro; é uma planta com populações pequenas”, explica Eliane de Lima Jacques, doutora em botânica pela Universidade de São Paulo (USP).

Mas qual o mistério?

O primeiro registro histórico sobre a “Wightii” é de 1933, quando o botânico Karl Albert Fotsch a descreveu no livro “Die Begonien” (“As Begônias”, em tradução livre para português).

A planta nativa do Brasil tem registro anterior, de 1819, descrita pelo italiano Giuseppe Raddi.

“A Begonia maculata ‘Wightii’ tem que ter vindo da Begonia maculata ‘Tipo’, a original do sudeste brasileiro. Só não dá pra se afirmar como esse cultivar foi produzido ou como ele surgiu”, afirma o botânico Samuel Gonçalves.

No entanto, essa origem não é um consenso entre os estudiosos. Como falta material histórico sobre a criação da “Wightii”, a ligação com a Begonia maculata (nome científico) endêmica do Rio de Janeiro acabou se perdendo, afirma Eliane, que é especialista em taxinomia (ciência que classifica organismos vivos) de Begoniaceae, a família de plantas da qual as begônias fazem parte.

“Nós não temos os materiais que atestam esse nome, ficamos acreditando nesta similaridade [entre a Maculata nativa e a ‘Wightii’] porque o autor [Fotsch] descreve, mas nenhum material foi encontrado em um herbário com esse nome de ‘Wigthii'”, aponta Eliane.

A hipótese defendida pela botânica é que a “Wightii” surgiu por meio de variedade de begônia levada para a Europa por naturalistas no século 19. “São plantas que chegavam ao Jardim Botânico de São Petersburgo [Rússia] e eram disseminadas”, diz Eliane.

 

Esse processo pode ter sido o responsável pelo surgimento da “Wightii”. “Dentro da própria estufa, muitas deles podiam se hibridizar”, diz a botânica.

Existem mais de 2.060 espécies de begônia espalhadas pelo mundo. Elas vivem, sobretudo, em zonas tropicais da América, África e Ásia.

Foto: Rafael Miotto/ g1

Mudas da ‘Wightii’ vêm da Holanda

A grande onda da “Wightii” começou em 2020 no Brasil. Com o crescimento da procura por plantas ornamentais para dentro de casa durante a pandemia, a planta cheia de pintinhas virou febre.

No início, a Flora Fujimaki vendia cerca de 100 unidades da planta por semana para lojas – eles não comercializam diretamente ao consumidor. Mas a procura era tanta que a “Wightii” chegou a atingir valores de R$ 400 em alguns revendedores.

“O encarecimento não foi positivo, porque parecia um produto inacessível. Hoje é possível achar por a partir de R$ 49,90 em alguns pontos”, diz. A Flora Fujimaki vende até 4 mil dessas begônias em uma semana.

As mudas vêm da Holanda ao Brasil via um importador. “Elas chegam bem pequinininhas e podem levar de 15 a 20 semanas para chegar ao porte de venda, dependendo do tamanho do pote [vaso]”, conta Rita.

Como cuidar da Begonia maculata “Wightii”

A planta é considerada fácil de cuidar. Veja algumas dicas do botânico Samuel Gonçalves a seguir:

Rega: são plantas que gostam de umidade, mas o substrato não pode ser muito encharcado, permitindo que a superfície seque entre as regas.

Substrato: deve ser fértil, fibroso e rico em matéria orgânica. É preciso de adubação frequente para que a planta se desenvolva. O indicado é o NPK líquido 10 10 10 uma vez ao mês.

Luz: precisa de muita claridade, de luz indireta, para seu desenvolvimento. Pode também ser adaptada ao sol pleno, para isso, deve-se ir aumentando gradativamente a sua exposição ao sol.

Poda: fazer apenas a limpeza, retirando folhas velhas e as flores (sim, ela esporadicamente também dá flores) que secarem.

Dá para fazer muda?

Sim, e não é difícil. “Bastar cortar a pontinha de um caule que tenha duas ou três folhas e colocar o caule na água, após o enraizamento, basta plantá-la em substrato adequado [fibroso e rico em matéria orgânica]”, diz o botânico Samuel Gonçalves.

Também é possível tentar fazer uma muda a partir das folhas. “Mas o enraizamento é um pouco mais demorado”, explica.

Compartilhe!