Vacinação contra a gripe reduz problemas respiratórios e riscos de hospitalizações

Mesmo com a liberação da vacinação contra a gripe para a população no geral, por determinação do Ministério da Saúde, a procura segue baixa nos postos de vacinação. Tanto que o prazo final para a imunização, que era até o dia 24/06, foi postergado pela pasta para todas as pessoas acima de 6 meses de idade.
A infectologista, Silvia Fonseca, lembra que a vacina oferecida pelo Sistema Único de Saúde previne contra três cepas do vírus Influenza: H1N1, H3N2 e B, reduzindo os riscos de complicações. “Este vírus não é banal, pois mesmo que os sintomas sejam brandos pode levar a complicações, como pneumonia”, destaca.
Diabetes e obesidade também são agravantes para a doença, como reforça a infectologista: “A Influenza pode descompensar uma doença de base como diabetes e problemas cardíacos. Mesmo que a pessoa trate regularmente da hipertensão e diabetes, a influenza pode descompensar estas outras doenças”, explica a infectologista.
E em tempos de pandemia, é importante reforçar que a vacina contra a gripe reduz os riscos de outros problemas respiratórios. “Se a pessoa tiver Influenza e, na sequência, a covid-19, pode evoluir para formas mais graves. Por isso, quando nos protegemos com a vacina, reduzimos os riscos de uma doença com maior gravidade. Porém, quem ficou internado por complicações da covid-19 deve esperar um tempo para se vacinar contra a Influenza”, alerta a médica.
Segundo o Ministério da Saúde, não é preciso respeitar um intervalo de 14 dias entre as vacinas da covid-19 e Influenza, especialmente para pessoas acima dos 18 anos. Já sobre os efeitos adversos, as contraindicações são raras. “Como ela é produzida usando ovos embrionados, não é recomendada para quem tem alergia grave a ovo. Mas, a maioria das pessoas não costuma ter reação à vacina, que é segura e feita com o vírus inativado”.
Outra confusão é que, frequentemente, as pessoas associam gripe e resfriado, como se fossem a mesma doença, apesar dos sintomas serem diferentes e por períodos diversos, como acrescenta a infectologista do Sistema Hapvida. “O resfriado é uma infecção autolimitada, que se encerra sozinho em 3 a 4 dias. E, nesse período, a pessoa tem espirros e coriza. Já a Influenza é caracterizada por febre alta, tosse, dor no corpo, nas articulações e nos músculos. E pode levar a casos mais graves, como a pneumonia”.
O calendário vacinal para a imunização contra a Influenza fica a critério de cada cidade. E havendo doses disponíveis é melhor se imunizar, pois a proteção é efetiva. “O resumo é que a vacinação contra a Influenza reduz milhares de internações e, em dois dias o tempo de hospitalização. E, quando vemos aumento das mortes, é essencialmente entre populações não vacinadas”, conclui a infectologista.
Para saber os endereços e horários da vacinação contra a Influenza é necessário procurar a Secretaria Municipal de Saúde ou os postos de vacinação da cidade.
Compartilhe!